quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Lá vem a poesia soprando

A poesia passa
como um vento
que varre
as folhas das árvores.

Algumas se deixam levar
e vão balançar
ao sabor do vento,
andar por muitos lugares
e quem sabe
nunca voltar.

Outras ficam por lá,
e caem no chão,
tendo um breve momento
a saborear.

Outras folhas
nunca caem.
E contam muitas histórias
de quem ficou e partiu.

De quem o vento levou,
de quem o vento deixou,
daquela noite bonita,
num dia que fez tamanha ventania,
que até a folha mais firme
se deixou levar pela poesia.

Sérgio Medeiros

4 comentários:

Paulo Henrique Motta disse...

para ser cerveja, amigo Sérgio, tem que dispor de muito mais do que dois copos... rs
obrigado por mais essa visita.

E outra coisa: muitas cervejas nos deixam como as folhas: voando ao vento. rs

abraços do Paulinho

Paulo Henrique Motta disse...

estudo sim. faço Letras. aquela galera toda estudou comigo.
abs

Paulo Henrique Motta disse...

opa, blz. vamos sim.

abs

Lina disse...

oi, vou sim! chamei 2 amigas q foram alunas dele, mas nem sei se vao. eu irei mesmo q sozinha. vai também q a gente se acha por lá.. : )

beijo

ps:qq coisa meu email é carolinaccarvalho@gmail.com